Montadoras mergulham na tecnologia

Drones que controlam estoques, óculos com realidade aumentada, robôs teleguiados, exoesqueletos, impressão de peças em 3D e fábricas digitais são algumas das tecnologias disruptivas que a indústria automobilística brasileira vem adotando para melhorar a qualidade dos veículos, a produtividade das fábricas e sua competitividade. O setor está com o cronômetro acionado para enfrentar um dos seus maiores desafios desde a produção do primeiro veículo nacional, há mais de seis décadas.

McDonald’s adquire startup de tecnologia para otimizar pedidos.

Em busca de um melhor e mais rápido atendimento no serviço de drive-thru, o McDonald’s informou a compra de mais uma empresa de tecnologia. A startup Apprente é a terceira companhia de tecnologia adquirida pela rede de restaurantes norte-americana em um período de seis meses.

Tecnologia ajuda os consumidores nas compras do mercado

Nos últimos anos, a tecnologia levou a profundas mudanças no mundo corporativo. Além de obrigar as empresas a buscarem novos modelos de negócios, ela alterou a maneira como as companhias se relacionam com os clientes. Em sociedades cada vez mais conectadas, ter a capacidade de entender o comportamento e, ao mesmo tempo, oferecer soluções para o consumidor digital pode fazer a diferença entre um empreendimento bem-sucedido e outro, incapaz de decolar.

Por que a tecnologia não deve substituir os humanos

Nós já temos hoje tecnologia para resolver todos os problemas da humanidade. O que ainda não temos é humanidade”. A frase de efeito é de Ligia Zotini, futurista e fundadora do ecossistema digital de educação Voicers. A pesquisadora e empresária falou nesta quinta-feira em um dos principais palcos do Mercado Livre Experience, evento que reuniu no São Paulo Expo executivos de diferentes áreas para trocar informações sobre e-commerce, serviços financeiros, tecnologia e inovação.

Existe uma tecnologia anticorrupção, só precisamos parar para usá-la

Mais conhecido no Brasil como o sistema por trás das criptomoedas, o blockchain já tem sido usado em outros países para diversas finalidades, que vão desde o setor de energia até o de alimentos. Por aqui, essa tecnologia ainda caminha a passos lentos, mas bem que poderia ser uma importante aliada no combate aos desvios de verbas públicas. Quem diz isso é Tatiana Revoredo, professora do Insper, representante do European Law Observatory on New Technologies no Brasil e especialista em blockchain pela Universidade Oxford e pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology):

“Usamos nossa cultura sem o compromisso de ensinar”, diz criador de Aritana

“Aritana e a Pena da Harpia”, lançado no Steam em 2014, entrou para a história no ano seguinte como o primeiro jogo brasileiro a ser lançado para Xbox One. Agora, em 2019, o universo do jogo ficou um pouco maior. “Aritana and the Twin Masks” chegou ao Xbox One em 16 de agosto, prometendo grandes evoluções em relação ao primeiro jogo.

Criptomoeda: tecnologia e revolução econômica

Com a criação do bitcoin, em 2009, surgiu um novo tipo de moeda – a criptomoeda, que se propõe a substituir o dinheiro convencional e a agilizar as transações eletrônicas, isto é, compras e vendas on line, transferências de valores, pagamentos, etc. Como a internet, por meio da qual são veiculadas, as criptomoedas também são descentralizadas, controladas pela rede de usuários, o que impede de serem controladas por uma instituição política ou financeira. Os governos de todo o mundo ainda não sabem como regulamentar as criptomoedas, que também tornariam os bancos obsoletos. Nesse sentido, essa moeda virtual pode representar uma verdadeira revolução reduzindo o poder dos governos na economia e, simplesmente, abolindo as instituições bancárias. Você acha que uma revolução como essa seria possível? Como governos e banqueiros reagiriam a isso? Seria possível conter ou controlar o avanço da tecnologia, impedindo uma radical transformação econômica, política e social jamais imaginada anteriormente?